Wednesday, June 15, 2011

Verdade, verdadinha

Já me aconteceram várias coisas más. 
Daquelas que acontecem a toda a gente. 
Já perdi alguém que gostava muito, já acabei amizades de anos, já me partiram o coração e voltaram a curá-lo, já me desiludi com muita gente e muitas pessoas ficaram a meio do caminho. 
E já fui acusada de ter desistido. Disseram que a culpa foi minha, que devia ter lutado mais, insistido.
Mas eu, mesmo a sofrer da maneira que estava, achei que era algo que não valia a pena lutar. E nunca me arrependi da decisão que tomei. Depois daquilo tudo, cheguei à conclusão que não era aquilo que queria. 
Eu não desisti. Porque, para dizer a verdade, não havia nada para que pudesse desistir.
Simplesmente acabou. Não estava suposto a ser. I just accepted the fact that are things that cannot be.
Não foi fácil. Doeu muito. Mas, ao olhar para trás, fazia tudo outra vez.
Portanto venham-me chamar todos os nomes e pensem o que quiserem de mim mas a verdade é esta:


Eu simplesmente não quero saber. Não me incomodam.

1 comment:

Bárbara Monteiro said...

É verdade, há vezes que mais vale desistir do que insistir.